EXPERIMENTE O INSTAGRAM E FANPAGE @CAPSULAHISTORICA

MORTE DE SERGIO ALEXANDROVICH DA RÚSSIA


NOME: Sérgio Alexandrovich da Rússia (47 anos) 
QUEM FOI: Grão-duque da Rússia. Filho do czar Alexandre II da Rússia. Foi um figura influente durante os reinados do seu irmão Alexandre III e do seu sobrinho Nicolau II que era também seu cunhado. Entre 1891 e 1905, foi o governador-geral de Moscou. Sendo um conservador radical, as suas políticas tornaram-no numa figura odiada por muitos, sendo uma das suas medidas mais controversas a expulsão da maioria da população judia da cidade. Em 1896 a sua reputação foi irremediavelmente arruinada depois da tragédia do Campo Khodynka, quando milhares de pessoas morreram esmagadas por falta de organização das forças de segurança por si chefiadas. O seu contestado mandato acabou da pior forma em 1905 quando foi assassinado por uma bomba terrorista colocada por revolucionários de esquerda na carruagem onde seguia. 
NASCIMENTO: 11 de maio de 1857 - São Petersburgo, Rússia. 
MORTE: 17 de fevereiro de 1905 - Moscou, Rússia. 
CAUSA DA MORTE: Estraçalhado por uma bomba.  
OBS: Pouco antes das 14:45 da tarde do dia 17 de fevereiro de 1905, a carruagem do grão-duque passou pelos portões da Torre Nikolskaya do Kremlin e passou pela curva do Mosteiro de Chudov para entrar na Praça Senatskaya. Depois, Ivan Kalyayev, membro de um partido Social-Revolucionário, atirou a bomba directamente para o colo de Sérgio. A explosão destruiu a carruagem e o grão-duque morreu imediatamente, desaparecendo em pequenos pedaços. A neve ficou manchada com sangue, pedaços de roupa e da carruagem. O corpo de Sérgio ficou mutilado, com a cabeça, a parte superior do peito e o ombro esquerdo completamente destruídos. O pouco que sobrou do rosto ficou rodeado pelos ossos do crânio. Alguns dos dedos do Grão-duque, ainda com os anéis que ele usava normalmente, foram encontrados no telhado de um edifício próximo e recuperados algum tempo mais tarde. O condutor da carruagem ficou gravemente ferido e foi levado para um hospital próximo, vindo a morrer três dias depois.

Nenhum comentário: