EXPERIMENTE O INSTAGRAM E FANPAGE @CAPSULAHISTORICA

MORTE DE OSKAR SCHINDLER


NOME: Oskar Schindler (66 anos) 
QUEM FOI: Industrial alemão. Católico, de origem étnica alemã, durante a Segunda Guerra Mundial Schindler resgatou quase 1.200 judeus da deportação para a morte em Auschwitz. Em 1936, ele começou a trabalhar no Escritório Alemão de Inteligência Militar Estrangeira, e em fevereiro de 1939, se juntou ao Partido Nazista. Um negociante oportunista, com gosto pelas coisas boas da vida, Schindler não pareceria ser alguém que viria a tornar-se um salvador de tantas vidas na época da Guerra. Após a invasão alemã à Polônia, ele mudou-se para a cidade de Cracóvia. Aproveitando o programa alemão para "arianizar" as empresas na Polônia ocupada, em novembro de 1939 ele comprou de judeus destituídos uma fábrica de utensílios esmaltados e a reinaugurou com o nome de Emalia. Embora Schindler operasse outras duas fábricas, apenas em Emalia ele empregou escravos judeus, trazidos de um gueto vizinho àquela cidade. Durante o fechamento do gueto, em março de 1943, Schindler permitiu que seus trabalhadores judeus permanecessem em relativa segurança na fábrica durante a noite. No seu auge, em 1944, Emalia tinha 1.700 operários, dos quais pelo menos 1.000 eram escravos judeus, que terminaram por serem enviados para o campo de concentração de Plaszow. 
NASCIMENTO: 28 de abril de 1908 - Svitavy, Morávia. 
MORTE: 9 de outubro de 1974 - Hildesheim, Alemanha Ocidental. 
CAUSA DA MORTE: Acidente vascular cerebral - AVC. 
OBS: Em 1949, Schindler e sua esposa emigraram para a Argentina. Em 1962, o memorial Israelense do Holocausto, Yad Vashem, concedeu a Schindler o título de "Justo entre as Nações" pelos seus esforços de resgate na época de Guerra. Em outubro de 1974, ele faleceu na Alemanha, pobre e quase desconhecido. Sua história chamou grande atenção graças ao popular filme de Steven Spielberg, em 1993, "A Lista de Schindler". No total, durante o Holocausto, ele facilitou a sobrevivência de cerca de 800 judeus e entre 300 a 400 judias.

Nenhum comentário: