EXPERIMENTE O INSTAGRAM E FANPAGE @CAPSULAHISTORICA

MORTE DE CARLOS MARIGHELLA


NOME: Carlos Marighella (57 anos) 
QUEM FOI: Político e guerrilheiro brasileiro, um dos principais organizadores da luta armada contra o regime militar a partir de 1964. Conheceu a prisão pela primeira vez em 1932, após escrever um poema contendo críticas ao interventor Juracy Magalhães. Libertado, prosseguiria na militância política, interrompendo os estudos universitários no terceiro ano, em 1932, quando deslocou-se para o Rio de Janeiro. Em 1º de maio de 1936, durante a ditadura na Era Vargas, foi preso por subversão e torturado pela polícia de Filinto Müller. Permaneceu encarcerado por um ano. Foi solto. Ao sair da prisão entra para a clandestinidade, até ser recapturado, em 1939. Novamente é torturado e fica na prisão até 1945, quando é beneficiado com a anistia pelo processo de redemocratização do país. Elege-se deputado federal constituinte pelo PCB baiano em 1946, mas perde o mandato em 1948, em virtude da nova proscrição do partido. Volta para a clandestinidade e ocupa diversos cargos na direção partidária
NASCIMENTO: 5 de dezembro de 1911 - Salvador, BA, Brasil.
MORTE: 4 de novembro de 1969 - Sâo Paulo, Brasil.
CAUSA DA MORTE: Assassinado a tiros.
OBS: Marighella foi a um encontro com dois padres, para negociar a saída do país de pessoas perseguidas pela Ditadura Militar. Chegou pontualmente às 20h no local combinado, dirigiu-se ao fusca e entrou na parte traseira. Frei Ives e Fernando que estavam no carro, perceberam a aproximação de pessoas suspeitas e saíram rapidamente do carro e se jogaram no chão. Percebendo a emboscada, imediatamente Marighella reagiu à prisão e foi morto a tiros. Marighella seguiu as normas de seu manual. Portava um revólver e levava duas cápsulas de cianureto. Na ocasião, em meio a intenso tiroteio, morreram também a investigadora Stela Morato e o protético Friederich Adolf Rohmann, que passava pelo local do tiroteio.